Entre clamor, transição e vibrações: controversias sobre conservadorismo e campo religioso brasileiro no contexto da COVID-19

Contenido principal del artículo

Resumen

Desenvolvemos no presente artigo uma reflexão a partir da análise de mensagens trocadas por grupos de WhatsApp, ligadas a narrativas religiosas institucionais e não institucionais sobre a COVID-19. As mensagens analisadas foram coletadas entre abril e maio de 2020, durante o período inicial da pandemia do Coronavírus no Brasil. Discutimos a presença e as novas roupagens de uma tônica conservadora nas narrativas selecionadas, com o objetivo de tecer considerações que trataram de algumas especificidades e contradições que o campo religioso brasileiro, particularmente no que diz respeito à tônica conservadora, apresentou neste contexto tão específico da modernidade. Ao final, os resultados teóricos apontaram a insuficiência do termo “conservadorismo” para expressar o que se observou nas mensagens.


Detalles del artículo




Giovanna Sarto
Paulina Valamiel
Silvia Fernandes
Biografía del autor/a

Giovanna Sarto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Paulina Valamiel, Universidade Federal de Minas Gerais

Silvia Fernandes, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Sarto, G., Valamiel, P., & Fernandes, S. (2022). Entre clamor, transição e vibrações: controversias sobre conservadorismo e campo religioso brasileiro no contexto da COVID-19. Revista Cultura Y Religión, 16(1), 100 - 136. Recuperado a partir de https://revistaculturayreligion.cl/index.php/revistaculturayreligion/article/view/964

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Almeida, R. (2019). “Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira”. Novos estudos. Cebrap, 38(1), pp.185-213.

Amaral, L. (2000). Carnaval da alma: comunidade, essência e sincretismo na nova era. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Berger, P. L. (2017). Os múltiplos altares da modernidade: rumo a um paradigma da religião numa época pluralista (1. Ed). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Berger, P. L.; Luckmann, T. (2018). Modernidade, pluralismo e a crise de sentido: orientação do mundo moderno. (3. ed. atual). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Beloti, S. A. (2019). “Umbanda, o Candomblé e a Questão Moral”. Sacrilegens, 1(1), pp.82-98

Bobsin, O.; Link, R. S.; Nuñez de La Paz, N. I. & Reblin, I. (Orgs.). (2007). Uma religião chamada Brasil: estudos sobre religião e contexto brasileiro. São Leopoldo: Oikos.

Burity, J. & Andrade, P. (2011). Religião e Cidadania. São Cristóvão: Ed. UFS; Recife: Fundação Joaquim Nabuco.

Camurça, M. A. (2009). “Entre sincretismos e guerras santas: dinâmicas e linhas de força do campo religioso brasileiro”. Revista USP. (81), pp.173-185.

Camurça, M. A. (2017). “A questão da laicidade no Brasil: mosaico de configurações e arena de controvérsias”. Horizonte – Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, 15(47), pp. 855-886.

Caprara, A. (1998). “O médico ferido: Omolu nos labirintos da doença”. In: P. C. Alves & M. C. Rabelo (Orgs.) Antropologia da saúde: traçando identidade e explorando fronteiras (pp. 123-138). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Rio de Janeiro: Editora Relume Dumará.

Costa, V. & Portella, R. (2019). “O Moderno Espiritualismo: uma reflexão sobre a produção de sentidos religiosos na modernidade”. Revista Brasileira de História das Religiões, 11(33), pp. 171-189.

Coutinho, J. P. (2014). As ideias conservadoras explicadas a revolucionários e reacionários. São Paulo: Três Estrelas.

Cunha, M. N. (2016). “Religião e Política: Ressonâncias do Neoconservadorismo evangélico nas mídias brasileiras”. Perseu: História, Memória e Política, 11, pp.147-166.

Cunha, M. N. (2020). Fundamentalismos, crise da democracia e ameaça aos Direitos humanos na América do Sul: tendências e desafios para a ação. Salvador (Bahia): Koinonia. Presença Ecumênica e Serviço.

Fantini, J. A. (2014). “Editorial: Pós-verdade ou o triunfo da religião”. Leitura Flutuante – Revista de estudos em Semiótica e Psicanálise, 8(2). PUC-SP. Disponível em: acesso em 01 de maio de 2020.

Fernandes, S. R. (2012). A. Religião e religiosidades na contemporaneidade. pp. 59-66 in Congreso Continental de Teología. La teología de la liberación en prospectiva, Editado por Fundación Amerindia (Rio Grande do Sul). São Leopoldo, RS: Fundación Amerindia; Doble Clic Editoras.

Fernandes, S. R. (2019a). “The Catholic Charismatic Renewal and the Catholicism That Remains: A Study of the CCR Movement in Rio de Janeiro”. Religions, 10(6), pp.397-417. https://doi.org/10.3390/rel10060397

Fernandes, S. R. (2019b). “Sociologia da juventude - olhares interdisciplinares e intertemáticos”. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, 9(2), pp. 339-350.

Fernandes, S. R. (2021). Christianity in Brazil - An Introduction from a Global Perspective. London: Blooomsbury Academic.

Gahyva, H. (2017) “Notas Sobre o Conservadorismo: elementos para a definição de um conceito”. Política & Sociedade, 16(35), pp.299-320.

Giddens, A. (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP.

Giumbelli, E. (2014) Símbolos religiosos em controvérsias. São Paulo: Terceiro Nome.

Kardec, A. (2007). O livro dos espíritos. (3. ed.). Catanduva, SP: Boa Nova.

Lewgoy, B. (2006). “Representações de ciência e religião no espiritismo kardecista: antigas e novas configurações”. Civitas – Revista de Ciências Sociais, 6(2), pp. 151-167.

Luhmann, N. (2007). La religión de la sociedad. Madrid: Trotta.

Luna, N. (2002). “As novas tecnologias reprodutivas e o estatuto do embrião: um discurso do magistério da igreja católica sobre a natureza”. Política Social. 3(1), UFF, Niterói, pp.83-100.

Machado, M. D. C. (2014). “Discursos pentecostais em torno do aborto e da homossexualidade na sociedade brasileira”. Revista Cultura y Religión, 7(2), pp.48-68.

Mansilla, M. A. (2020). “La escritura y la religión en tiempos de pandemia”. Revista Cultura Y Religión, 14(2), pp. i-vii.

Mariano, R. (2004). “Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal”. Estudos Avançados, 18(52). São Paulo, pp. 121-138.

Mariano, R., & Oro, A. P. (2014). Introdução ao dossiê: Religião, política, espaço público e laicidade no Brasil. Revista Cultura Y Religión, 7(2), pp. 4-12.

Miguel, A. N. (2010). “O espiritismo frente à igreja católica em disputa por espaço na Era Vargas”. Revista Esboços, 17(24). Florianópolis, pp. 203-226.

Montero, P. (2014). “Religião, Laicidade e Secularismo. Um debate contemporâneo à luz do caso brasileiro”. Revista Cultura Y Religión, 7(2), pp.13-31.

Negrão, L. N. (1996). “Magia e Religião na Umbanda”. Revista USP, (31), pp.76-89.

Oakeshott, M. (1999). “Do fato de ser conservador”. In: A. Crespigny & J. Cronin, Ideologias Políticas (pp. 21-42). Brasília: UNB.

Pedroza Gallegos, B. I., Patiño López, M. E. & Velázquez Lacoste, P. (2021). Espacio Público, Sociedad Civil y Creencias Religiosas: Origen y filiaciones del Frente Nacional Por La Familia (FNF) en México. Cultura y Religión, 15(2), pp.135-166.

Prandi, R. (1990). “Modernidade com Feitiçaria: Candomblé e Umbanda no Brasil do Século XX”. Tempo social, 2(1), pp.49-74.

Rampinelli, W. J. (2011). Fátima, o salazarismo e o colonialismo. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica – PUC-SP. Disponível em: acesso em 01 de maio de 2020.

Romano, R. (1994). “O Pensamento Conservador”. Revista de Sociologia e Política, 3. Universidade Estadual de Campinas, pp.21-31.

Signates, L. (2019). “Espiritismo e política: os tortuosos caminhos do conservadorismo religioso e suas contradições no Brasil”. Caminhos – Revista de Ciência da Religião, 17(4), pp. 138-154.

Silveira, E.J.S. (2008) “Terços, “Santinhos” e Versículos: A relação entre Católicos Carismáticos e a Política”. REVER – Revista de Estudos da Religião, 8(1), pp. 54-74.

Souza, A. S. (2016). “Iniquidade ou elã neofundamentalista? Considerações sobre religião e política no Brasil”. Numen: Revista de Estudos e Pesquisa da Religião, 19(2). Juiz de Fora, pp. 113-140.

Souza, A. S. (2017). O legado fundamentalista do Seminário Teológico de Westminster: reformistas x reconstrucionistas no espaço público americano. [Tese de Doutorado em Ciência da Religião, Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora]. Repositório de Teses da UFJF. http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/4483/1/andreasilveiradesouza.pdf

Souza, A. S. (2019). “Religião e Educação: as marcas do fundamentalismo religioso no programa ‘Escola sem Partido’”. Religare, 16(1), pp.09-33.

Souza, J. (2018). A classe média no espelho. Rio de Janeiro: Estação Brasil.

Stark, R. (1999). “Micro foundations of religion: a revised theory”. Sociological Theory, 17(3), p. 264-289.

Van Der Port, M. (2012). “Candomblé em rosa, verde e preto. Recriando a herança religiosa afro-brasileira na esfera pública de Salvador, na Bahia”. Debates do NER, 2(22), pp.123-164. https://doi.org/10.22456/1982-8136.36521

Weber, M. (2003). “Religião e Racionalidade Econômica”. In: G. Cohn (Org.). Sociologia (7ª ed., pp. 143- 159). São Paulo: Editora Ática.